PLANTAS MEDICINAIS

As plantas consideradas medicinais, contém substâncias bio-ativas com propriedade terapêuticas, profilática e paliativa, conhecidas desde os tempos remotos. Essas plantas são utilizadas pela medicina atual, chamada fitoterápia e suas propriedades são estudadas nos laboratórios farmacêuticos, a fim de isolar as substâncias que lhe conferem propriedades curativas. Muitas destas plantas são venenosas ou tóxicas, devendo ser usadas em doses muito pequenas para terem o efeito desejado. Toda a planta, mesmo alimentícia, pode ser potencialmente tóxica dependendo da dosagem.

PASSE O CURSOR SOBRE A FOTO PARA LER (NÃO CLIQUE)

TEMÁTICA

As plantas medicinais são utilizadas pela medicina atual (fitoterapia). Entretanto, a planta “in natura” ou pré porcessada utilizada pela população sem recomendação médica é uma prática denominada “Medicina Popular” e obviamente tem seus riscos, como a dificuldade em se estabelecer dose, posologia e, em alguns casos, a verdadeira identidade de algumas espécies.

Desta forma, este espaço apresenta o uso das plantas medicinais como alternativa terapêutica e para tanto, deve ser acompanhada por um profissional da saúde.



LED Scroller Generator

As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento e muito menos de diagnóstico, apenas informativa. Consulte sempre um profissional da saúde para qualquer tipo de informação.

01/11/2013

ALMEIRÃO - Cichorium intybusL. - Propriedades medicinais - 114




NOME CIENTÍFICO
Cichorium intybusL.
FAMILIA
Asteraceae (Compositae) Espécie Cichorium intybusL.
NOME POPULAR
Chicória-amarga.
PARTE USADA
Folhas
PRINCÍPIO ATIVO
Informações Nutricionais 100 g contêm, em média:
Macrocomponentes Glicídios (g) 4
Proteínas (g) 1
Lipídios (g) 0
Fibras alimentares (g)
Vitamina A1 (mg) 263
Vitamina B1 (mg) 213
Vitamina B2 (mg) 120
Vitamina B3 (mg) 0
Vitamina C (mg) 11
Minerais Sódio (mg) 82
 Potássio (mg) 371
Cálcio (mg) 70
Fósforo (mg) 23
Ferro (mg) 1
Conteúdo energético (kcal) 25
PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS
Abre o apetite Estimula o funcionamento do fígado e da vesícula biliar. Provedor de vitaminas e sais minerais.
Flor

 DESCRIÇÃO BOTÂNICA
Planta herbácea, produtora de látex, de ciclo anual e que atinge ao redor de 50 centímetros de altura. Sistema radicular Sua raiz é longa, robusta, de formato cônico e sem muitas ramificações. Caule: Ereto, ramificado e anguloso. Folhas Suas folhas são verdes, de superfície lisa recoberta de pêlos, formato lanceolado, sésseis, bordo denteado e desenvolvem-se formando uma roseta próxima ao solo. Flores: São liguladas e estão agrupadas em inflorescência do tipo capítulo que surge na axila das folhas, apresentam cor azul. Fruto É do tipo aquênio.
ORIGEM
Europa Mediterrânea, mas se desenvolve bem em quase todos os países do mundo – pertence à família da alface, do dente-de-leão, da serralha e da chicória (em alguns sítios, é conhecido como “chicória amarga”).
CURIOSIDADES
O componente que dá sabor amargo ao almeirão é o que precisamente, estimula o apetite e o funcionamento do fígado e da vesícula.
MODO DE USAR
Saladas cruas (em pequenas quantidades, por ter sabor amargo – para diminuir esse sabor, devem ser cortados os talos e passados em água fria corrente) Refogado, como acompanhamento para feijões e outros pratos.
Fonte: www.hortifruti.com.br
 Fonte: www.iban.com.br
Fonte: www.posto7.com.br
 Fonte: www.hortifruti.com.br
Formatação: Helio Rubiales

MANJERICÃO - Ocimum basilicum L.- Propriedades medicinais- 113

Fotos obtidas da planta de uma simples jardineira


Flor

NOME CIENTÍFICO
Ocimum basilicum L.
FAMÍLIA
Lamiaceae (Labiatae)
NOMES POPULARES
Alfavaca (conhecido na região Norte), alfavaca doce; manjericão doce, remédio de vaqueiro; erva- real; manjericão da folha grande, etc.
PARTE USADA
Folhas, sementes e raízes Utilizar a planta fresca de preferência, pois há perda de seus princípios ativos ao secar e ferver.
PRINCÍPIO ATIVO
 Óleos essenciais (eugenol, estragol, linalol, lineol, alcanfor, cineol, pineno e timol), taninos, saponinas, flavonóides, ácido cafeíco e esculosídeo
PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS
Usada nos estados gripais, bronquites, é estimulante digestiva, carminativa, antiespasmódica, antifebril, sudorífico, diurético, aumenta a secreção do leite, antitussígeno, mau-hálito.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA
 Planta herbácea anual, de polinização cruzada, resultando em grande número de subespécies, variedades e formas. Muito ramificada, aromática e perfumada; atinge 0,5 a 1m de altura. Possui haste reta com muitas folhas carnosas, ovaladas, sem pêlos e de cor verdebrilhante. Na face inferior das folhas existem minúsculas covas, onde se formam gotículas de essências. Suas flores são brancas ou avermelhadas, formando espigas e seus frutos são aquênios (fruto minuto, seco e indeiscente). Cultivo Adapta-se bem em climas subtropical e temperado quente e úmido. Vegeta em solos ricos em matéria orgânica e permeáveis. Propagada por sementes e enraizamento de estacas. No plantio por sementes ralear 2 a 3 semanas após a germinação. O transplante deve ser feito quando a plântula estiver com 3 cm. Recomenda-se plantar no espaçamento de 0,25 x 0,50m, com adubação de 5 kg de esterco de curral por m2. A colheita é feita quando a planta entrar em floração para não perder seu aroma, colhendo-se as folhas, de preferência, pela manhã até 11:00 horas. A produção é de 0,5 kg/ m2. Pode ser armazenado fresco em sacos plásticos por uma semana.

Flor
ORIGEM
Provavelmente chegou à Europa, vinda da Índia, passando pelo Oriente Médio. É subespontâneo em todo o Brasil.
 MODO DE USAR
Banho, xarope, infusão, cataplasma, decocção (raízes).

 *Modo de usar Feridas – Cataplasma
Aplicar cataplasma de folhas frescas sobre a parte afetada, cobrindo-o com gaze.
*Tuberculose pulmonar -
Xarope Lavar bem as raízes de uma planta de Manjericão, cozinhar por 20 minutos, coar, acrescentar açúcar ao chá e deixar ferver até formar consistência. Tomar 1 colher 4 vezes ao dia.
 *Gripe e resfriado – Banho Fazer cozimento de folhas frescas de manjericão com folhas de mucura-caá, folhas de laranjeira e de limoeiro. Deixar amornar e tomar banho pela manhã, por 1 semana.
*Afecções da boca e garganta- Decocção Em ½ litro de água, acrescentar 50 g de folhas secas e 100g de folhas frescas de manjericão. Ferver por 10 minutos, deixar esfriar e fazer bochechos e gargarejos *Espasmos – Infusão 1 colher de folhas de manjericão em uma xícara de água fervente. Abafar e tomar *Queda de cabelo - Infusão 1 xícara de folhas frescas em ½ litro de água fervente. Depois de 15 minutos espremer bem as folhas e banhar a cabeça com o líquido, fazendo fricções no couro cabeludo.
Fontes
portalsaofrancisco.com.br/alfa/manjericao/manjericao-2.php
www.cpafro.embrapa.br

SUCO DE AÇAI - 019



Suco de Açaí
Ingredientes:
1 Polpa (100g) de Açai
1 Copo de Água 50ml de Xarope de Guaraná
1 Copo de Água

Modo de Preparo:
Bata Tudo no liquidificador e pronto!

Valor Nutricional por 100g de Polpa de Açaí
Calorias: 247kcal
Proteínas: 3,8g
Lipídios: 12,2g
Fibras: 16,90g
Cálcio: 118mg
Ferro: 11mg
Fósforo: 0,5mg
Vitamina B1: 11,80
Vitamina B2: 0,36
Vitamina C: 0,01

31/10/2013

CONFREI - Symphytum officinale L.- Propriedades Medicinais - 112



Flor
FAMILIA
Boraginaceae
NOME CIENTÍFICO
Symphytum officinale L.
NOME POPULAR
Confrei
Outros idiomas: Comfrey (inglês), consuelda (espanhol), grande consoude (francês), consolida maggiore, sinfito (italiano) e arznei-beinwell (alemão)
PARTE USADA
Folhas, flores e raízes.
PRINCíPIO ATIVO
Ácido ascórbico, ácido tânico, alantoína, alcalóides pirrolizidínicos (sinfitina, equidimina e lasiocarpina (L), amido, aminoácidos essenciais, alantoína, asparagina, equimidina, cianocobalamina, esteróis, fructanos, intermedina, lasiocarpina, licopsamina, próvitamina A, sais minerais, saponinas, sinfitina, taninos, triterpenos, vitaminas E e do complexo B. Carboidratos, Caroteno , Sais de ferro, manganês, cálcio e fósforo, Heterosídeos cianogênicos e saponínicos, Gomas, Lactonas sesquiterpênicas, como a leonitina e as trimetoxicumarinas , Proteínas, Iodo, potássio .
 PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS
Cicatrizante, analgésica (reduz a dor), antiinflamatória, tônicas (renova a energia) e galactogênicas (aumenta produção de leite). A ação do confrei se dá através da alantoína, a qual tem uma ação tópico epitelial proliferante celular, e também removedora do tecido necrosado. Estudos clínicos demonstraram que utilizando o extrato aquoso em local inflamado, provoca um aumento da temperatura local e da circulação sanguínea com conseqüente diminuição da dor e regressão do processo inflamatório. A alantoína juntamente com as propriedades da mucilagem tem uma ação emoliente, hidratante e antiirritante da pele. INDICAÇÕES
 Asma, diabetes, leucemia, hepatite, gastrite, úlceras, prisão de ventre, reumatismo, icterícia, câncer. Elimina as dores nos olhos e regulariza a pressão arterial. Combate a anemia, debilidades, dores nas costas, dor de cabeça, dores musculares. Evita a velhice prematura, normaliza a atividade sexual, mantém a pigmentação natural dos cabelos, elimina sardas, espinhas, irritações da pele. Age como desintoxicaste do sangue, auxiliando nessa completa função. Consolida as oxidações ósseas.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA
O confrei é uma planta herbácea, de ciclo perene e que atinge até 1,20 metro de altura. Seus rizomas e raízes são grossos. O caule é ereto e com superfície áspera. As folhas são grandes, de formato ovado-agudo ou oblongo-lanceolado, de superfície ligeiramente ondulada. As flores são de coloração amarela ou violácea, grandes e tubulosas. O fruto é composto de quatro aquênios
 ORIGEM
Europa e Ásia.
M ODO DE USAR
 Uso interno Infuso a 5% : para gargarejos 2 a 3 vezes ao dia. Cataplasmas: 6g da erva em água, 2 vezes ao dia. Decocto: 4-5g de chá em 250mL de água, para lavar feridas. Suco fresco: psoríase. USO EXTERNO Extrato: utilizar 10-15% em cremes.
 CONTRA INDICAÇÕES
Evitar utilizar internamente.( Pode provocar irritação gástrica e problemas hepáticos ). Há referências que tratam de alcalóides cancerígenos, principalmente em folhas jovens e raízes. FonteS: cultivando.com.br unilavras.edu.br
 USOS
-A literatura etnofarmacológica refere seu uso na forma de chá das folhas, sucos e saladas, no tratamento caseiro de doenças gastrointestinais, disenterias, inflamações, reumatismo, hemorróidas, tosse, bronquite e irregularidades menstruais.
-As raízes moídas têm uso como hemostático (estanca sangue), curativo em ferimentos abertos, equimoses e especialmente no tratamento de fraturas de ossos.
-São usadas também como cataplasma no alívio do incômodo gerado por queimaduras e picadas de insetos.
FORMA DE USO/DOSAGEM INDICADA
O tratamento cicatrizante de feridas, inclusive de úlceras varicosas e irritações da pele, pode ser feito em aplicação local de compressas e lavagens, várias vezes ao dia.
A cataplasma pode ser feita colocando-se pó de folha em uma vasilha, despejando-se água fervente em seguida, até formar uma pasta grossa, sendo colocado sobre o local afetado ainda quente, protegido por gaze fina.
-Outro modo de preparo da cataplasma é misturando-se partes iguais de pó de confrei e farinha de trigo, adicionando-se um pouco de água fervente em seguida, formando uma pasta lisa e homogênea, que deve ser aplicada diretamente sobre a parte afetada.
ATENÇÃO/CONTRAINDICAÇÃO
Embora ensaios farmacológicos registrem para o extrato aquoso das folhas atividade inibitório do desenvolvimento de tumores mamários, seu uso interno, em doses altas ou por tempo prolongado, pode ocasionar o aparecimento de tumores malignos no fígado, nos brônquios e na bexiga, consequentes do desenvolvimento de doença venooclusiva, causada pelos alcaloides nesses órgãos, complicados com o extravasamento de hemácias e necrose hemorrágica. Considerando esta atividade tóxica, o confrei teve seu uso por via oral proibido pelos órgãos governamentais de saúde de quase todos os países ocidentais, embora seu uso local como cicatrizante seja permitido e estimulado. Apesar das evidências, existem controversas quanto à dosagem necessária para um efeito tóxico.

19/05/2012

ALFAZEMA - Lavandula officinalis Chaix e Kitt. - Propriedades Medicinais - 111

Planta
Flores

FAMILIA
Labiatae
NOME CIENTÍFICO
Lavandula officinalis Chaix e Kitt.
SINONÍMIA
Lavandula angustifólia Mill, Lavandula officinalis Chaix, Lavandula spica L., Lavandula Vera DC., Lavandula vulgaris Lam.
NOME POPULAR
Lavanda, lavândula, nardo, espicanardo Nome em outros idiomas: Alemão (lavendel), Inglês (lavender), Francês (Lavende), Italiano (lavanda) lavândula, nardo, espicanardo
PARTE USADA
Folhas e flores
PRINCÍPIOS ATIVOS
Óleos essenciais (acetato de linalilo e linalol), taninos 12%, cumarinas, princípio amargo, saponina ácida, resina
PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS
Anti-séptico, tônico, antiespasmódico, calmante, digestivo, antibacteriana, carminativa , revulsiva INDICAÇÕES
Reumatismo, nevralgias , hemicrania, excitação nervosa, insônia, vertigens, contusões, feridas, inapetência, má digestão, asma, coqueluche, faringite, laringite, depressão, cistites, enxaquecas, bronquite, corrimento vaginal, prurido vaginal, sarna, piolho
DESCRIÇÃO BOTÂNICA
Tem aroma suave, haste ereta e densa ramagem. Suas folhas são longas e finas, cobertas de pêlo esbranquiçados na face inferior. As flores, azul-violáceas, reúnem-se em espigas terminais. Todas as partes da planta são perfumadas, mas principalmente as flores, que contém um azeite volátil. Também chamada de lavanda
ORIGEM
Cresce principalmente nas regiões quentes do Mediterrâneo. Foi trazida para a América pelos colonizadores, sendo aclimatada no Brasil
 MODO DE USAR
 DOSAGEM INDICADA
Asma, bronquite, tosse, catarro, gripes, sinusites, tensão nervosa, depressão, insônia, vertigens, cistites, enxaquecas:
coloque 2 colheres de flores em 1 xícara de álcool de cereais a 60%.Deixe em maceração por 5 dias e coe. Tome 1 colher (café) diluída em um pouco de água, 2 vezes ao dia. Pode também adicionar este preparado à água de banho.Faça banho de imersão por 20 minutos.
Asma, bronquite, tosses, catarro e gripes:
Decocção
Ferver por 2 minutos, em um litro de água, 60g de sumidades floridas de alfazema. Filtrar e beber o líquido de 4 a 6 xícaras ao dia.
Infusão
Colocar em infusão, por 5 minutos, 5 g de flores de alfazema em uma xícara de água fervente. Adoçar com mel e beber. Repetir a dose 4 vezes ao dia.
CANSAÇO
Óleo de alfazema
Em um recipiente, colocar 3 quartos de litro de um bom azeite e um punhado de flores frescas de alfazema. Fechar bem o recipiente e colocá-lo em um lugar fresco onde deve ser deixado por cerca de 20 dias. Filtrar o óleo sobre um tecido de linho. Pingar algumas gotas do óleo sobre um torrão de açúcar e deixar derreter lentamente na boca. Também algumas gotas de essência de alfazema sobre as têmporas e pulsos dará um grande alivio àquele que se sente cansado por excesso de trabalho ou por uma vigília prolongada. CONTUSÕES
Alcoolato de alfazema:
Colocar em infusão, por 15 dias, 50 g de flores de alfazema em 1 litro de álcool. Filtrar o líquido e colocá-lo em um vidro provido de tampa em esmeril. Contra as contusões, friccionar suavemente com um pouco de líquido para aliviar as dores e fazer desaparecer a inflamação.
FRICÇÕES
Verter na palma da mão algumas gotas de essência de alfazema e friccionar a região contundida. A essência de alfazema encontra-se à venda em farmácias especializadas.
DIURÉTICO
Colocar por cinco minutos 5g de flores de alfazema em uma xícara de água fervente. Filtrar e beber 3 xícaras ao dia.
ESTÔMAGO(MÁ DIGESTÃO)
Óleo de alfazema, vide cansaço.
Pingar algumas gotas do óleo de alfazema em um dedo de água ou um torrão de açúcar para tomar após a refeição.
Alcoolato de alfazema, vide contusões. No álcool empregado para uso interno, certificar-se ser álcool de cereais, próprio para consumo. Antes de cada refeição, beber dois dedos de água na qual foram diluídas alguma gotas de alcoolato de alfazema.
EXCITAÇÃO NERVOSA
Infusão Em uma xícara de água quente, colocar em infusão uma pitada da mistura obtida com: 30 de flores de alfazema, 10g de camomila, 5g de hipérico, 5g de lúpulo, 5g de raiz de valeriana. Filtrar o líquido e beber antes de deitar-se. Inalação Em uma tigela com água fervente e esfumaçante colocar algumas gotas de essência de alfazema, colocar a cabeça sobre o recipiente, tendo à testa uma toalha. Aspirar profundamente os vapores.
FARINGITE
Decocção Ferver por dois minutos 40g de flores de alfazema em 1 litro de água. Filtrar o líquido ainda morno. Tomar de 4 a 6 xícaras ao dia.
FERIDAS
Desinfetante A falta de um desinfetante alcoólico pode ser suprida, momentaneamente, com alguma gotas de essência de alfazema vertidas sobre a ferida.
HEMICRANIA,VERTIGENS
Ver cansaço.Tomar seis ou sete gotas muitas vezes ao dia. Contra as vertigens, algumas gotas em pouca água.
INSÔNIA
Alcoolato de alfazema Ver contusões. Pingar algumas gotas de alcoolato em um torrão de açúcar e deixar derreter na boca. Decocção Ferver uma pitada de alfazema em uma xícara de água. Filtrar,adoçar e beber antes de deitar-se. Infusão Ver excitação nervosa. Uma ou duas xícaras antes de deitar-se. LARINGITE,COQUELUCHE E TOSSE
Infusão Colocar 50g de flores de alfazema em um litro de água fervendo. Filtrar e beber de 4 a 5 xícaras, adoçadas com mel, durante o dia.
NEVRALGIA
Óleo de alfazema Ver cansaço. Algumas gotas de óleo sobre um torrão de açúcar. Deixar derreter na boca. Infusão Misturar as seguintes ervas: 20g de flores de alfazema,60 g de flores de prímula medicinal e 20g de flores de camomila. Colocar 5g desta mistura em uma xícara de água fervente e deixar repousar por meia hora. Filtrar e beber em seguida. A dose deve ser repetida de 2 a 3 vezes ao dia.
OUTRAS AFECÇÕES
Corrimento vaginal,prurido vaginal,sarna,piolho
Coloque 2 colheres(sopa) de flores em 1 xícara (chá) de vinagre branco. Deixe em maceração por 3 dias e coe.
No caso de pruridos e corrimento vaginal,adicione 2 colheres(sopa) à água de banho. Faça banho de assento 1 vez ao dia.
Para piolhos aplique no couro cabeludo, com ligeira massagem, deixando agir por 2 horas. Em seguida enxágüe e passe o pente fino.
Para sarnas, aplique com um chumaço de algodão.
Escaras de decúbito, queimaduras, picadas de inseto, afecções da pele(eczemas,dermatites e psoríases): Em 1 xícara(chá) coloque 2 colheres (sopa) de flores e adicione óleo de cozinha. Leve ao fogo, em banho-maria, por 1 hora. Espere amornar e coe. Aplique nos locais afetados, com um chumaço de algodão, de 2 a 3 vezes ao dia.
CONTRA INDICAÇÕES
Seu uso dentro das doses preconizadas não tem contra-indicação. Nas mulheres grávidas deve-se evitar o uso em doses altas por ser estimulante uterino.
Formatação e pesquisa: Helio Rubiales
Fonte:
 ci-67.ciagri.usp.br
pt.wikipedia.org
geocities.com